Últimas Notícias

Publicada em 15/03/2013 - 07h51
Por Francisco Alves

Jovens vivem em situação sub-humana em Assunção do Piauí

Na última quinta-feira 14/03, uma equipe da “TV Antena 10” de Teresina/PI afiliada da Rede Record, registrou o fato.


publicidade


Jovens vivem em situação sub-humana em Assunção do Piauí família que vive em situação sub-humana

Na localidade Salva Vidas 2, há cerca de 23 Km ao leste da sede do município de Assunção do Piauí/PI, moram os jovens: Antonio de Jesus de Sousa, 33 anos, José de Jesus de Sousa, 28 anos, e Manoel de Jesus de Sousa, 24 anos, filhos da aposentada e viúva Clarice Maria de Jesus, os mesmos moram nesta localidade há mais 40 anos em regime de parceria rural com o senhor dono da terra.

O que torna os jovens diferentes dos demais, é que até a presente data, os mesmos não possuem a certidão de nascimento e nenhum outro documento. Segundo a mãe dos jovens, Dona Clarice, seus filhos ainda não têm a certidão nascimento pelo fato de não haver condições financeiras para pagar despesas de cartório e, que sempre tem pedido ajuda aos políticos locais para lhe ajudar no processo dos rapazes, porem quando os políticos tomam conhecimento que os jovens sofrem de um leve distúrbio mental e que não seriam capazes de acertar para votar, os mesmos, logo os abandonam.

“Eu sou mãe e pai ao mesmo tempo, e sofro muito, pois eles precisam de consulta médica e alimentação e sem documento eu não consigo nada para eles”, disse Clarice.

Em maio de 2012, o Líder Comunitário Sr. José Caetano da Silva (Caetano Silva) de Assunção do Piauí, levou os três jovens para serem atendidos pelo serviço da “Justiça Itinerante” na cidade de Castelo do Piauí, porém a Juíza que os atendeu exigiu a “certidão negativa” de registro civil da comarca pertencente ao domicílio dos mesmos e, no mesmo dia Caetano Silva apresentou-os e fez o requerimento das referidas certidões ao Cartório Cavalcante Junior, da Cidade de São Miguel do Tapuio/PI, depois disto, Caetano Silva cobrou estas certidões várias vezes ao cartório, mas até a presente data, os documentos não foram emitidos.

Na última quinta-feira 14/03, Caetano da Silva levou a equipe da “TV Antena 10” de Teresina/PI afiliada a Rede Record, para registrar o fato e divulgar, no sentido de que as autoridades estaduais tomem conhecimento deste descaso social, uma vez que as demais autoridades do município,  não têm tratado o caso com tanta importância.

Chegando ao local, o repórter Weslley Sales, se deparou com outra situação, o jovem mais velho, Antonio, estava trabalhando para o dono da propriedade na construção de um curral (ficando mourão) de forma desprotegida, ou seja, sem chapéu, sem calçados e sem camisa e, durante todo o tempo da entrevista o mesmo exibia às mãos sangrando com grandes calos (ferimentos de bolhas) e sacudia para reduzir a dor dizendo. “... dói muito, dói muito...”, discretamente longe dos olhos do patrão.

Com intuito de tentar amenizar a dor de Antonio, Caetano pediu que o mesmo, fosse lavar as mãos com água-de-sal, e Antonio sacudindo às mãos dizia. “Não posso, tenho que continuar trabalhando”.

A reportagem deverá ir ao Ar nos próximos dias, durante o programa “Balanço Geral” 2ª edição, apresentado pelo jornalista e diretor de jornalismo da TV Antena 10, Douglas Cordeiro II.

Da esquerda para direira: Antonio de Jesus de Sousa, 33 anos, José de Jesus de Sousa, 28 anos, e Manoel de Jesus de Sousa, 24 anos, filhos da aposentada e viúva Clarice Maria de Jesus.


Fonte: Assunsaolivre
Editor: Francisco Alves


Tópicos: sofrimento, trabalho, escravo

Avaliação:

publicidade



Comentários

  1. jean Carlos Silva - São Miguel do Tapuio/PI
    16/03/2013 às 09:27h
    Cadê os políticos de Assunção do Piauí? só aparecem na hora do voto. O Caetano como presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e também político, deveria fazer alguma coisa, sendo que ele pode fazer, por isso tem uma parcela de culpa na historia.
  2. Nael Martins - Assunçã do Piauí/PI
    15/03/2013 às 23:41h
    Não deu pra entender qual a verdadeira condição sub-humana que esta família se encontra, primeiro porque, segundo a reportagem, os pais dos jovens são aposentados, o que indica que eles não passam fome, segundo se por causa dos documentos, Assunção conta com Sala da Cidadania, onde todos tem o direito de tirar documentos gratuitamente.
  3. Anderson Fernandes - Teresina/PI
    15/03/2013 às 13:30h
    É mesmo muita falta de vergonha pela parte dos governantes desta cidade,não tem um minimo de preocupação com sua população,já não basta a polemica que virou o história do rato rabudo,agora mais essa..... Por em quanto que muitos andam no luxo a custa de dinheiro publico outros não tem uma minima certidão de nascimento o que é direito de todos os cidadãos brasileiros!